domingo, 28 de maio de 2017

Joba Tridente: irmãos maquiavelhacos

..., ah, Brasil de tantos pecados! ..., dilapidado! ..., corrompido! ..., estuprado dia e noite por politiqueiros! ..., país das hediondas causas próprias e imundas calças próprias para o dolo! ..., país das lavagens cerebrais midiáticas e partidárias! ..., até quando o seu “gigante pela própria natureza” continuará “deitado eternamente em berço esplêndido”? ..., a corda, Brasil! ..., acorda!

..., a cada vez mais indignado com tanta verdade (2017) ao ..., c.h.ã.o (2016) e nas m.ã.o.s (2017) e na b.o.c.a (2017) de vadios..., enquanto a boiada da friboi passa e o povo pasta, piso na bosta espalhada por toda a nação, pelos irmãos maquiavelhacos batista e seus asseclas..., para cometer um corte poético de doer no lombo.


                 
irmãos maquiavelhacos
joba.tridente.27.05.2017.cwb.

tudo pode quem é de ley
por mais que apodreça
           carne de boy
não é carne de cow
vaca crazy de dar dó
                                 lares aos podres
                                 políticos consumidólares
                                 à la cala-te

homens nus em dietas
                              noturnas
servem-se de calorias
a gosto conforme o mês
no bom tom dos sussurros
saboreiam uma
a uma as cartas do castelo
onde a sorte não se culpa
em dar espeto ao azar
no turno das facções
girando a roleta
na mesa frágil das negociações
                                  soturnas

sangram cartas insalubres
                 no molho parvo
afogam tetinhas macias
               no molho branco
para bocas insaciáveis

na pressa à santa gula
engole-se cururus
como se rã em divino prato
a indigestão não tarda
a revolver o estômago
na confissão do pecado

: é torto
o caminho
para a granja
..., e colher ovos em maio
gorados no granjeio
do jaburu depenado
: é tosco

tudo pode quem é freeboy
em terras do norte
tudo arma quem é cowboy
em terras com sorte

em terras do sul
onde nem coruja pia
o tormento da velhacaria

o bobo do corte insiste
                             : se a carne é forte para quem se alinha
                              : se a carne é fraca para quem galinha
                              : a quem é de ley toda maquiavelice
                                                                       será perdoada?

o bobo da corte insiste
                             : cala-te! por que não te calas?
                                                                     por que?

*
joba.tridente.ilustração.27.05.2017



Joba Tridente, artesão de palavras e imagens em Verso: 25 Poemas Experimentais (1999); Quase Hai-Kai (1997, 1998 e 2004); em Antologias: Hiperconexões: Realidade Expandida – Sangue e Titânio (2017); Hiperconexões: Realidade Expandida (2015); 101 Poetas Paranaenses (2014); Ipê Amarelo, 26 Haicais; Ce que je vois de ma fenêtre - O que eu vejo da minha janela (2014); Ebulição da Escrivatura - 13 Poetas Impossíveis (1978); em Prosa: Fragmentos da História Antropofágica e Estapafúrdia de Um Índio Polaco da Tribo dos Stankienambás (2000); Cidades Minguantes (2001); O Vazio no Olho do Dragão (2001). Contos, poemas e artigos culturais publicados em diversos veículos de comunicação: Correio Braziliense, Jornal Nicolau, Gazeta do Povo, Revista Planeta, entre outros.

domingo, 21 de maio de 2017

Joba Tridente: 36

..., como não me importo com datas, um poema do domingo passado no domingo de hoje. 36..., um poema para as mães de todos os dias. ..., talvez porque eu gosto de segundas-feiras tanto quanto desgosto de aniversários. ..., o espelho do guarda-louça quebrado pela cadela perdigueira maruska, jamais foi consertado. ..., não era dia das mães e nem do meu aniversário. 36 eu cometi em cwb.13.05.2017.


                           

36
joba tridente

mãe, me dá um dinheiro?
pra quê?
??????
...... ela sabe
!!!!!!
pra comprar uma coisa!
......
na manhã de domingo
mais uma caneca
de louça na cristaleira
: mãe
e flores no decalque
rosado

: mamãe
: mãezinha do coração
: mãe eu te amo
: querida mamãe
: feliz dia das mães
: a melhor mãe do mundo

aos sete o menino
conta as canecas
que um dia herdará

*
ilustração de joba tridente.2017



Joba Tridente, artesão de palavras e imagens em Verso: 25 Poemas Experimentais (1999); Quase Hai-Kai (1997, 1998 e 2004); em Antologias: Hiperconexões: Realidade Expandida – Sangue e Titânio (2017); Hiperconexões: Realidade Expandida (2015); 101 Poetas Paranaenses (2014); Ipê Amarelo, 26 Haicais; Ce que je vois de ma fenêtre - O que eu vejo da minha janela (2014); Ebulição da Escrivatura - 13 Poetas Impossíveis (1978); em Prosa: Fragmentos da História Antropofágica e Estapafúrdia de Um Índio Polaco da Tribo dos Stankienambás (2000); Cidades Minguantes (2001); O Vazio no Olho do Dragão (2001). Contos, poemas e artigos culturais publicados em diversos veículos de comunicação: Correio Braziliense, Jornal Nicolau, Gazeta do Povo, Revista Planeta, entre outros.

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Joba Tridente: ver.da.de

Nos últimos anos temos ouvido insistentemente que o mundo vai acabar amanhã e ou, mais tardar, depois de amanhã. Mas não acaba..., e os políticos continuam à solta mundo afora e américa latina adentro praticando suas sandices. Se o fim dos tempos é mais um engodo, então, o que dizer do dantesco cenário político brasileiro?  

No país dos políticos descarados comprometidos com a verdade deles e jamais com a verdade de seus pares; na ilha nacional da fantasia de gente de refinada peçonha, que customiza suas devassas caricaturas pintando flores e corações nas bochechas e bordando estrelinhas na testa, como se possível a ilibação..., me peguei novamente e de novo outra vez acometido de catarse pró-ética.

Diante de tantas lágrimas de jacaré e gargarejos de peru na tv, a bem da verdade e a mal da mentira, acabei me debruçando nas idiossincrasias da maldita espécie e cometi a minha VER.DA.DE (cwb.24.04.2017). Antes já fui ao ..., c.h.ã.o (2016) e alcei as m.ã.o.s (2017) e abri a b.o.c.a (2017)....


               
ver . da . de
de joba tridente

- a verdade é
compromisso meu!
diz você tão senhor
de si com quem?
de si com o quê
a verdade é
compromisso seu?

arroga direito
adquirido do povo-estrado
(domesticado a sustentar canalhas)
para não descer do alto
dos balaústres
onde a arrogância
te meteu
metendo-se nos desvãos silenciosos
                                                  entre
                              uma palavra vã e outra cínica
tua lógica alvissareira avessa às alvíssaras
falseia ideogramas como se falseia óleo de fígado
                                               no corte da cabeça-bagre
                                               do cidadão-bacalhau

salga vogais para matar consoantes
salga cérebros para caducar ideias
goteja pimenta-malagueta
nos olhos dos salitrados eleitores
cuja voz embargada
                na raiz-forte
                não será ouvida

tua língua
taquara fendida na ponta
tão bifurcada mente direções
esgueira
no recôndito da sua boca murcha
                                               busca saída
para clamar a tua verdade tão sua
                     tão ofensivamente sua
                                                aos ouvidos
continuamente estuprados
                             por promessas
continuadamente ludibriados
                                 por políticos
                                 da tua laia
    por verdade tão sua
    se compra verdade
    se aluga verdade
    se negocia verdade
    se troca de verdade
    pela verdade tão sua
..., e tão ordinária aos seus

- a verdade é
compromisso meu!
diz você tão senhor
de si com quem?
de si com o quê
a verdade é
compromisso seu?

- compromisso com a verdade!
gesticula tua ofendida língua fendida
ejetada de sua desloucada boca débil
pronta a se rasgar em mais direções
..., se preciso o foro
                                   ..., se necessário o fora!

- compromisso com a verdade!
gesticulam teus olhos vidrados
desconexos na busca de blindagem
ao céu que cai e ao inferno que sobe
..., se preciso o foro
                                   ..., se necessário o fora!

o teu compromisso
é com a verdade que se esvai quando dá
as costas à verdade dos impropérios
públicos que ecoam nos lugares públicos
abafando teus queixumes

a tua língua verborreia
falseia a verdade
a tua língua compulsiva
bifurca a verdade
a tua língua infame
necrosa a verdade
qual veneno de aranha marrom

a tua verdade de sapo-cururu
na (ra)beira do palácio
soa tão exaustiva mentira
que a tua língua tão sua
clama aos dentes tão seus
por eutanásia...,
           que falácia!

*
ilustração: foto de de Joba Tridente.2010


Joba Tridente, artesão de palavras e imagens em Verso: 25 Poemas Experimentais (1999); Quase Hai-Kai (1997, 1998 e 2004); em Antologias: Hiperconexões: Realidade Expandida (2015); 101 Poetas Paranaenses (2014); Ipê Amarelo, 26 Haicais; Ce que je vois de ma fenêtre - O que eu vejo da minha janela (2014); Ebulição da Escrivatura - 13 Poetas Impossíveis (1978); em Prosa: Fragmentos da História Antropofágica e Estapafúrdia de Um Índio Polaco da Tribo dos Stankienambás (2000); Cidades Minguantes (2001); O Vazio no Olho do Dragão (2001). Contos, poemas e artigos culturais publicados em diversos veículos de comunicação: Correio Braziliense, Jornal Nicolau, Gazeta do Povo, Revista Planeta, entre outros.

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Valêncio Xavier e Joba Tridente: Uma Releitura da Via-Sacra


No ano 2000, recebi do então editor de cultura José Carlos Fernandes, do jornal Gazeta do Povo, de Curitiba, um convite desafiador: realizar um trabalho plástico para ilustrar a releitura da Via-Sacra feita pelo escritor e cineasta Valêncio Xavier (1933-2008).

Bem, para mim, um livre pensador que já teve censurada a exposição Sagrados e Profanos, por conta da catarse sobre religião e política, foi um convite inusitado. Todavia(crucis), como tinha liberdade para abordar o tema, aceitei. Trabalhei um bom tempo entre pesquisa e realização, optando por uma técnica de recortes (utilizando uma grande variedade de papel) e sobreposição tridimensional.

Em 2011 fiz uma postagem da Via-Sacra, mas sem o texto contemporâneo de Valêncio Xavier. Esta é a reedição da publicação completa feita em Abril de 2015. Como não tenho as fotos originais do jornal, fotografei as artes (em acervo) com uma câmera simples e a qualidade (com os cortes) não está das melhores, mas queria aproveitar o momento. Quanto ao foco da minha releitura da Via-Dolorosa, publicada na Sexta-Feira, 21 de Abril de 2000, que cada um se deixe enredar pela coroa de espinhos e tire a sua própria conclusão.


Uma Releitura da Via-Sacra
texto de Valêncio Xavier
ilustração de Joba Tridente
21.04.2000



Jesus é condenado à morte
Jesus aceita com submissão e amor a sentença que O condena, pois foi pela sua morte que Ele nos deu a Redenção, e impediu a morte de nossa alma.



Jesus recebe a cruz
Sem reclamar, Jesus recebe sobre seus ombros o peso esmagador da cruz: o peso de teus pecados e todas as misérias do mundo e o desamor dos seres humanos uns pelos outros.



Jesus cai pela primeira vez
O peso da cruz aumenta a cada passo. Seu corpo está coberto pelo sangue derramado nas guerras infindas dos homens contra os homens. Ele perde suas forças e cai por terra, pela Terra.



Jesus encontra-se com sua mãe
Jesus encontra-se com Maria, sua mãe. Mãe e filho se abraçam em meio à dor. A Terra é nossa mãe, vamos nos abraçar a ela e impedir que filhos ingratos destruam seus rios, suas matas, sua vida.



Simão Cirineu ajuda Jesus
Jesus, na sua humildade, aceita que um humilde homem do povo o ajude a carregar a cruz ao cimo do Monte Calvário. Ajudemos a carregar a pesada cruz dos homens do povo sem emprego.



A Verônica enxuga o rosto de Jesus
Uma mulher enfrenta os ferozes guardas e enxuga o sangue de Jesus. No lenço fica impresso o rosto de Jesus sofredor. Em tua alma está impresso o sofrimento das mulheres por seus filhos sem escola, sem médicos?



Jesus cai pela segunda vez
Sob o peso da cruz, Jesus cai outra vez. Mas a força de seu amor pela humanidade o faz levantar-se e seguir rumo ao Calvário. Nós podemos ajuda-lo a levantar-se, ajudando a levantar os caídos pelo peso das drogas e da aids.



Jesus consola as mulheres
Jesus esquece seus sofrimentos para consolar as mulheres que choravam. Ele fez isso para que não esqueças o sofrer das mulheres que fazem trabalhos acima das suas forças e ganham menos do que merecem.



Jesus cai pela terceira vez
A humilhação pelo peso redobrado dos pecados do mundo faz Jesus cair sob o peso esmagador da cruz ao chegar ao Calvário. E quantos de nós somos esmagados por leis injustas ou pela falta de leis que nos protejam da corrupção que corrói o país?



Jesus é despido
Jesus é humilhado na sua divindade e nos seus direitos humanos ao ser despojado de suas vestes. Nós devemos nos sentir humilhados ao ver os direitos humanos de nossos semelhantes serem negados, e devemos lutar contra isso.



Jesus é pregado na cruz
Os pregos ferem a carne de Jesus e a tortura continua com a cruz levantada e os soldados ferindo-O com suas lanças. A tortura de inocentes prossegue em muitas partes do mundo. Cabe a nós lutarmos contra isso.



Jesus morre na cruz
O véu de Templo rasgou-se ao meio e Jesus exclamou num grito: “Pai, nas tuas mãos entrego meu espírito!”, e morreu por nós. Quantos de nós estamos morrendo de fome, frio, e em guerras e por mãos criminosas? O que faremos para cessar essas mortes?



Maria recebe Jesus morto
Não existe dor maior que a de uma mãe receber nos braços o seu filho morto. E que podemos fazer pelas mães que têm seus filhos mortos por traficantes de drogas, por desmandos da polícia e por falta de segurança no país?



Jesus é sepultado
Jesus morto nos deu a vida verdadeira. Seu sepulcro foi o caminho da ressurreição e nos céus velará por nós e nos dá a esperança de que, aqui na Terra, alguém há de velar por nós.



Ressurreição


Valêncio Xavier (1933-2008): jornalista, escritor, cineasta. Entre suas obras mais importantes estão os livros: Desembrulhando as Balas Zequinha (1973); Mez da Gripe (1981); O Mistério da Prostituta Japonesa & Mimi-Nashi-Oichi (1986); Minha Mãe Morrendo e o Menino Mentindo (2001), Crimes à Moda Antiga (2004)..., e os filmes: A Visita do Velho Senhor; Carta a Fellini; O Pão Negro - Um episódio da Colônia Cecília. Para mais informações sugiro a leitura do artigo As Muitas Vidas de Valêncio Xavier no portal Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro.

Joba Tridente: artesão de palavras e imagens. Individuais: 1991 - Sagrados e Profanos - Hall da Secretaria de Estado da Cultura do Paraná - Curitiba-PR; 1986 - Sagrados e Profanos - Galeria “B” da Fundação Cultural do Distrito Federal - DF; 1983 - I Comício Cósmico de Brasília - Centro Cultural Le Corbusier – DF. Coletivas: 2015 - Bench Artes - São Paulo-SP; Nem Tudo Termina em Pizza - São Paulo-SP. 2013 - Mail Art Cupcake - MuBE - Museu Brasileiro de Escultura. 2000 - Fandango Subindo a Serra - SESC da Esquina - Curitiba-PR.  1997 - Guido Viaro, 100 Anos: Interpretação 97 - Museu de Arte do Paraná - Curitiba - PR. 1996 - V Concurso de Presépios - Memorial da Cidade de Curitiba - PR; 1994 (itinerante: 1995/1996) - Suite Vollard, Picasso - Uma Interpretação Paranaense - Museu de Arte do Paraná - Curitiba - PR; 1987 - Salão de Artes Plásticas de Brasília - Galeria da Fundação Cultural do Distrito Federal - DF e Levante Centro-Oeste - Galeria da Fundação Cultural do Distrito Federal - DF; 1986 - Salão de Artes Plásticas de Brasília - Galeria “B” da Fundação Cultural do Distrito Federal - DF; 1983 - I salão de Arte Mística/Mítica/Mediúnica - Hall da Prefeitura Municipal de Petrópolis - RJ e II Salão de Arte Mística/Mítica/Mediúnica - Centro de Convenções de Brasília - DF; 1977 - II Salão de Arte e Pensamento Ecológico - Touring Club de Brasília - DF; 1974 - I Encontro de Artes do ABC - Hall do Teatro Municipal de São Bernardo do Campo - SP. Gráficas, Humor: 1997 - 1ª Mostra da Ilustração Paranaense - Museu de Arte Contemporânea do Paraná - Curitiba - PR; 1993 - Bienal Internacional de Quadrinhos do Rio de Janeiro - RJ; 1991 - Arkivo Gráphico - Gibiteca de Curitiba - PR; 1980 - Brasília 20 Anos - Hall do SESC - DF e  Caricatura e Desenho de Humor de Ontem e de Hoje - Criatura-I - Exposição itinerante organizada pela FUNARTE em: DF/SP/RJ/BA/CE/PR; 1977 - II Salão de Humor de Brasília - Fundação Cultural do Distrito Federal - DF; 1976 - Salão de Humor de Brasília - Fundação Cultural do Distrito Federal - DF.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...